A chegada da COVID-19 significou um risco inesperado, uma crise sem precedentes com um resultado incerto, o que implica uma complexidade excepcional para os gestores das empresas.

É necessário tomar decisões a curto prazo e, ao mesmo tempo, manter uma visão a médio prazo, reagir a cenários em constante mudança, realizar reuniões on-line, gerir colaboradores.

Neste contexto, há vectores cuja gestão será vital:

  1. Pessoas

É necessário garantir o bem-estar dos colaboradores da empresa, implementar o teletrabalho onde for possível, e manter um canal de comunicação claro e transparente com todo o pessoal.

  1. Liquidez

Dada a gravidade da crise, a segunda prioridade para as empresas deve ser a liquidez para manter a actividade da empresa e garantir a continuidade dos fluxos da tesouraria. A liquidez condiciona as decisões: é essencial garantir a cobertura das necessidades da empresa, e para o alcançar, é essencial ter acesso a todas as fontes de financiamento.

Ao mesmo tempo, devem ser implementados procedimentos adequados, como a redução dos custos operacionais para fazer face à queda das receitas e, além disso, promover acções que permitam aproveitar as oportunidades que irão surgir em resultado da actual crise e do inevitável desaparecimento de muitos concorrentes.

  1. Confiança

Em tempos de incerteza, a confiança nas organizações é indispensável: é necessário transmitir confiança sobre a capacidade da empresa aos parceiros, investidores, clientes, e, claro, aos próprios colaboradores.

Em tempos de incerteza, a direcção tem de transmitir confiança, e para isso, é essencial ter dados comprovados, informação actualizada e aconselhamento adequado.

  1. Digitalização

A pandemia acelerou a digitalização, uma vez que as novas tecnologias tornaram possível dar continuidade aos negócios. As mudanças ocorridas em aspectos como a gestão dos recursos humanos, as relações com os clientes ou a comunicação, farão agora parte da vida empresarial diária.

Por conseguinte, se a sua empresa ainda não empreendeu a transição digital, deve fazê-lo urgentemente. Caso contrário, não será capaz de competir na nova realidade e ficará fora do mercado.

  1. Diversidade

Em tempos de crise, o talento é ainda mais fundamental para a criação de valor. A gestão deve acolher a diversidade, incorporando directores de diferentes perfis e origens, profissionais com experiência transversal e mesmo de diferentes sectores de actividade, que sejam capazes de contribuir positivamente para encontrar outras perspectivas e outras formas de enfrentar os problemas, e propor soluções alternativas.

  1. Sustentabilidade

Embora nos últimos anos as empresas tenham incorporado princípios de Investimento Socialmente Responsável e critérios ambientais e sociais nos seus modelos de governação e de decisão, a situação actual, colocará a sustentabilidade e a transição ecológica no topo da lista dos mais importantes vectores de crescimento.

É necessário salientar que a sustentabilidade tem um lugar de destaque para a Comissão Europeia, que propôs no Plano de Recuperação que uma parte significativa dos fundos do Mecanismo Europeu de Recuperação e Resiliência a atribuir aos Estados Membros esteja ligada à implementação de projectos de transição ecológica e digital.

 

Na LeggiTeam, estamos prontos para o assistir na sua tomada de decisões e implementação de medidas estratégicas. Por favor, não hesite em contactar-nos.